Quantcast
SC Braga B na Liga 3: 2023/24
You are using an outdated browser. For a faster, safer browsing experience, upgrade for free today.
SC Braga B na Liga 3: 2023/24
912 Respostas
144547 Visualizações
0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.
RuberAlbus
RuberAlbus Equipa Principal
  • *****
  • 3478
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #100 em: 11 de Dezembro de 2021, 13:01 »


Liderança e vantagem no confronto directo. Uma grande vitória.
Olho Vivo Equipa Principal
  • *****
  • 10192
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #101 em: 11 de Dezembro de 2021, 13:05 »
2-4. Boa vitoria... mas não me parece que o nosso estilo de jogo beneficie a evolução dos jogadores, pelo menos no que é necessário para ser jogador da primeira equipa. Demasiado jogo direto, sempre em busca da profundidade. Deu frutos nesta partida, também pelos erros defensivos do adversário, mas a prioridade devia ser a evolução dos jogadores.

O canal 11 atribuiu o troféu de melhor jogador do encontro ao Rodrigo Gomes. Pois a mim, ver a sua escassa evolução deixa-me apreensivo. Ainda é muito novo, é verdade, mas continua com muita falta de discernimento. Os estímulos também são sempre para procurar a profundidade nas transições.

Há um jogador de que gosto muito e que se estreou hoje na equipa B, o Rodrigo Beirão - que até saiu lesionado (e a equipa acusou a sua saída). Tem jogado (e bem) nos sub23 e tem o perfil para jogar na defesa aobre a esquerda, embora seja central de formação. A primeira equipa precisa de um jogador com este perfil. Seria importante avalia-lo de perto. Ainda é muito novo, é  verdade, mas...

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk
« Última modificação: 11 de Dezembro de 2021, 13:09 por Olho Vivo »
Anuncios M
Anuncios M
100%SCB Equipa Principal
  • *****
  • 7980
  • Quando o erro for só erro o SC Braga será campeão!
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #102 em: 11 de Dezembro de 2021, 13:08 »
2-4. Boa vitoria... mas não me parece que o nosso estilo de jogo beneficie a evolução dos jogadores, pelo menos no que é necessário para ser jogador da primeira equipa. Demasiado jogo direto, sempre em busca da profundidade. Deu frutos nesta partida, também pelos erros defensivos do adversário, mas a prioridade devia ser a evolução dos jogadores.

O canal 11 atribuiu o troféu de melhor jogador do encontro ao Rodrigo Gomes. Pois a mim, ver a sua escassa evolução deixa-me apreensivo. Ainda é muito novo, é verdade, mas continua com muita falta de discernimento. Os estímulos também são sempre para procurar a profundidade nas transições.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk
Ora nem mais!
FORÇA BRAGA
andromeda123 Equipa Principal
  • *****
  • 1327
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #103 em: 11 de Dezembro de 2021, 13:26 »
Vi o jogo, e apesar da vitória de facto, o estilo de jogo é muito directo mas lá está, talvez seja essa a estratégia necessária para levar a melhor sobre estas equipas, e também o objectivo pode ser claramente tentar a subida, se isso benefecia ou não o crescimento dos atletas é de facto um ponto de vista a ter em conta, de qualquer forma também os prepara para serem pragmáticos, coisa que ás vezes falta á equipa principal.
RuberAlbus
RuberAlbus Equipa Principal
  • *****
  • 3478
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #104 em: 11 de Dezembro de 2021, 14:54 »
Acho que o estado do relvado também não ia permitir jogar de outra forma.
Lipeste
Lipeste Equipa Principal
  • *****
  • 27559
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #105 em: 11 de Dezembro de 2021, 15:57 »
Não tem cabeça (?) mas tem pés!!!
Lipeste
Lipeste Equipa Principal
  • *****
  • 27559
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #106 em: 11 de Dezembro de 2021, 16:03 »
2-4. Boa vitoria... mas não me parece que o nosso estilo de jogo beneficie a evolução dos jogadores, pelo menos no que é necessário para ser jogador da primeira equipa. Demasiado jogo direto, sempre em busca da profundidade. Deu frutos nesta partida, também pelos erros defensivos do adversário, mas a prioridade devia ser a evolução dos jogadores.

O canal 11 atribuiu o troféu de melhor jogador do encontro ao Rodrigo Gomes. Pois a mim, ver a sua escassa evolução deixa-me apreensivo. Ainda é muito novo, é verdade, mas continua com muita falta de discernimento. Os estímulos também são sempre para procurar a profundidade nas transições.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk
Ora nem mais!
E ainda há quem continue a sugerir o Artur Jorge para a equipa principal.

A falta de projecto é transversal a todo o futebol e não apenas ao da SAD (equipa principal).

Temos excelentes instalações, miúdos cheios de talento mas infelizmente não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal.

joaoPC Equipa Principal
  • *****
  • 2400
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #107 em: 11 de Dezembro de 2021, 16:19 »
2-4. Boa vitoria... mas não me parece que o nosso estilo de jogo beneficie a evolução dos jogadores, pelo menos no que é necessário para ser jogador da primeira equipa. Demasiado jogo direto, sempre em busca da profundidade. Deu frutos nesta partida, também pelos erros defensivos do adversário, mas a prioridade devia ser a evolução dos jogadores.

O canal 11 atribuiu o troféu de melhor jogador do encontro ao Rodrigo Gomes. Pois a mim, ver a sua escassa evolução deixa-me apreensivo. Ainda é muito novo, é verdade, mas continua com muita falta de discernimento. Os estímulos também são sempre para procurar a profundidade nas transições.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk
Ora nem mais!
E ainda há quem continue a sugerir o Artur Jorge para a equipa principal.

A falta de projecto é transversal a todo o futebol e não apenas ao da SAD (equipa principal).

Temos excelentes instalações, miúdos cheios de talento mas infelizmente não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal.
Falta de projeto enorme mas no entanto estamos em 1° na liga 3, em 1° nos sub-23 e em 2° nos sub-19.
Temos ainda no plantel principal e que são opções regulares (uns mais que outros obviamente) jogadores como o Moura, Bruno Rodrigues, Fabiano, Vitinha, Carmo.
O que seria do Braga se tivesse um projeto?
Anuncios M
Anuncios M
Lipeste
Lipeste Equipa Principal
  • *****
  • 27559
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #108 em: 11 de Dezembro de 2021, 17:17 »
2-4. Boa vitoria... mas não me parece que o nosso estilo de jogo beneficie a evolução dos jogadores, pelo menos no que é necessário para ser jogador da primeira equipa. Demasiado jogo direto, sempre em busca da profundidade. Deu frutos nesta partida, também pelos erros defensivos do adversário, mas a prioridade devia ser a evolução dos jogadores.

O canal 11 atribuiu o troféu de melhor jogador do encontro ao Rodrigo Gomes. Pois a mim, ver a sua escassa evolução deixa-me apreensivo. Ainda é muito novo, é verdade, mas continua com muita falta de discernimento. Os estímulos também são sempre para procurar a profundidade nas transições.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk
Ora nem mais!
E ainda há quem continue a sugerir o Artur Jorge para a equipa principal.

A falta de projecto é transversal a todo o futebol e não apenas ao da SAD (equipa principal).

Temos excelentes instalações, miúdos cheios de talento mas infelizmente não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal.
Falta de projeto enorme mas no entanto estamos em 1° na liga 3, em 1° nos sub-23 e em 2° nos sub-19.
Temos ainda no plantel principal e que são opções regulares (uns mais que outros obviamente) jogadores como o Moura, Bruno Rodrigues, Fabiano, Vitinha, Carmo.
O que seria do Braga se tivesse um projeto?

Imagina que o SCB escolhia o seu  treinador em função de um modelo de jogo e de uma identidade que, enquanto equipa pretendia implementar...imagina ainda que quando esse treinador acabasse por sair seria contratado outro que se identificasse com o mesmo modelo de jogo e identidade de equipa para lhe dar continuidade...imagina também que a equipa B e os sub 23 trabalhavam de acordo com o modelo de jogo, princípios de jogo, sistema táctico e rotinas da equipa principal... mediante esse cenário imagina só o quão mais fácil seria para os miúdos da formação se imporem na equipa principal e ao mesmo tempo o quão mais forte poderia ser a equipa principal em virtude de os seus treinadores serem escolhidos em função do referido modelo de jogo e identidade enquanto equipa e clube.
Quando disse que não temos um projecto com um fio condutor entre a formação e a equipa principal era precisamente a tudo isso que  pretendia referir-me (ainda que a falta de projecto do SCB SAD, equipa principal, vá muito além disso, algo que já foi várias vezes debatido neste fórum).
joaoPC Equipa Principal
  • *****
  • 2400
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #109 em: 11 de Dezembro de 2021, 17:18 »




2-4. Boa vitoria... mas não me parece que o nosso estilo de jogo beneficie a evolução dos jogadores, pelo menos no que é necessário para ser jogador da primeira equipa. Demasiado jogo direto, sempre em busca da profundidade. Deu frutos nesta partida, também pelos erros defensivos do adversário, mas a prioridade devia ser a evolução dos jogadores.

O canal 11 atribuiu o troféu de melhor jogador do encontro ao Rodrigo Gomes. Pois a mim, ver a sua escassa evolução deixa-me apreensivo. Ainda é muito novo, é verdade, mas continua com muita falta de discernimento. Os estímulos também são sempre para procurar a profundidade nas transições.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk
Ora nem mais!
E ainda há quem continue a sugerir o Artur Jorge para a equipa principal.

A falta de projecto é transversal a todo o futebol e não apenas ao da SAD (equipa principal).

Temos excelentes instalações, miúdos cheios de talento mas infelizmente não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal.
Falta de projeto enorme mas no entanto estamos em 1° na liga 3, em 1° nos sub-23 e em 2° nos sub-19.
Temos ainda no plantel principal e que são opções regulares (uns mais que outros obviamente) jogadores como o Moura, Bruno Rodrigues, Fabiano, Vitinha, Carmo.
O que seria do Braga se tivesse um projeto?

Imagina que o SCB escolhia o seu  treinador em função de um modelo de jogo e de uma identidade que, enquanto equipa, pretendia implementar, imagina ainda que quando esse treinador acabasse por sair seria contratado outro que se identificasse com o mesmo modelo de jogo e identidade de equipa para lhe dar continuidade, imagina ainda que a equipa B e os sub 23 trabalhavam de acordo com o modelo de jogo, princípios de jogo, sistema táctico e rotinas da equipa principal... mediante esse cenário imagina o quão mais fácil seria para os miúdos da formação se imporem na equipa principal e ao mesmo tempo imagina também o quão mais forte poderia ser a equipa principal em virtude de os seus treinadores serem escolhidos em função do referido modelo de jogo e identidade enquanto equipa e clube.
Quando disse que não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal era precisamente isto que queria dizer.

Isso é uma utopia para uma equipa como o Braga. Aliás, a única que deve ter tido sucesso nesse formato é o Barça.

Vamos supor que essa estratégia tinha começado com o Carvalhal. Tínhamos de ter escolhido para a equipa B e restantes da formação um treinador que use um sistema híbrido entre 4 e 5 defesas? Não consegues arranjar um treinador com esses princípios e tu queres 3 ou 4? Na formação não é isso que interessa.

Agora vamos chegar ao final do contrato do Carvalhal. Como é que tinhamos de proceder? Tínhamos todas as equipas da formação a trabalhar com o sistema híbrido (depois de miraculosamente termos arranjado treinadores com esses princípios) e o treinador que fossemos buscar tinha de ter estas ideias também para que este princípio se jogo mantenha?

Uma completa utopia o que propões.
Cada treinador tem as suas ideias e modelo de jogo e não cada clube.
Se disseres que queres para as equipas de formação treinadores que priveligiem futebol de posse e ataque continuado já é diferente mas isso não é estar preso a um estilo de jogo e sistema tático.
Lipeste
Lipeste Equipa Principal
  • *****
  • 27559
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #110 em: 11 de Dezembro de 2021, 17:29 »




2-4. Boa vitoria... mas não me parece que o nosso estilo de jogo beneficie a evolução dos jogadores, pelo menos no que é necessário para ser jogador da primeira equipa. Demasiado jogo direto, sempre em busca da profundidade. Deu frutos nesta partida, também pelos erros defensivos do adversário, mas a prioridade devia ser a evolução dos jogadores.

O canal 11 atribuiu o troféu de melhor jogador do encontro ao Rodrigo Gomes. Pois a mim, ver a sua escassa evolução deixa-me apreensivo. Ainda é muito novo, é verdade, mas continua com muita falta de discernimento. Os estímulos também são sempre para procurar a profundidade nas transições.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk
Ora nem mais!
E ainda há quem continue a sugerir o Artur Jorge para a equipa principal.

A falta de projecto é transversal a todo o futebol e não apenas ao da SAD (equipa principal).

Temos excelentes instalações, miúdos cheios de talento mas infelizmente não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal.
Falta de projeto enorme mas no entanto estamos em 1° na liga 3, em 1° nos sub-23 e em 2° nos sub-19.
Temos ainda no plantel principal e que são opções regulares (uns mais que outros obviamente) jogadores como o Moura, Bruno Rodrigues, Fabiano, Vitinha, Carmo.
O que seria do Braga se tivesse um projeto?

Imagina que o SCB escolhia o seu  treinador em função de um modelo de jogo e de uma identidade que, enquanto equipa, pretendia implementar, imagina ainda que quando esse treinador acabasse por sair seria contratado outro que se identificasse com o mesmo modelo de jogo e identidade de equipa para lhe dar continuidade, imagina ainda que a equipa B e os sub 23 trabalhavam de acordo com o modelo de jogo, princípios de jogo, sistema táctico e rotinas da equipa principal... mediante esse cenário imagina o quão mais fácil seria para os miúdos da formação se imporem na equipa principal e ao mesmo tempo imagina também o quão mais forte poderia ser a equipa principal em virtude de os seus treinadores serem escolhidos em função do referido modelo de jogo e identidade enquanto equipa e clube.
Quando disse que não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal era precisamente isto que queria dizer.

Isso é uma utopia para uma equipa como o Braga. Aliás, a única que deve ter tido sucesso nesse formato é o Barça.

Vamos supor que essa estratégia tinha começado com o Carvalhal. Tínhamos de ter escolhido para a equipa B e restantes da formação um treinador que use um sistema híbrido entre 4 e 5 defesas? Não consegues arranjar um treinador com esses princípios e tu queres 3 ou 4? Na formação não é isso que interessa.

Agora vamos chegar ao final do contrato do Carvalhal. Como é que tinhamos de proceder? Tínhamos todas as equipas da formação a trabalhar com o sistema híbrido (depois de miraculosamente termos arranjado treinadores com esses princípios) e o treinador que fossemos buscar tinha de ter estas ideias também para que este princípio se jogo mantenha?

Uma completa utopia o que propões.
Cada treinador tem as suas ideias e modelo de jogo e não cada clube.
Se disseres que queres para as equipas de formação treinadores que priveligiem futebol de posse e ataque continuado já é diferente mas isso não é estar preso a um estilo de jogo e sistema tático.
Se os treinadores para a equipa principal tivessem esse fio condutor a que me refiro, os treinadores da equipa B e Sub 23 continuavam o seu trabalho porque apesar do treinador da equipa principal ser outro o modelo de jogo mantinha-se...seria uma mudança estrutural e não conjuntural e ao sabor do vento como tem vindo a acontecer (salvo raras excepções mas que rapidamente são invertidas).
Anuncios G
rpo.castro
rpo.castro Equipa Principal
  • *****
  • 16336
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #111 em: 11 de Dezembro de 2021, 17:42 »
E quando o modelo de jogo se esgota ou se torna previsível, manda-se tudo para o lixo e vai se buscar mais 4 ou 5 equipas completas.
A equipa B apresenta 2 problemas que as outras não têm (ou em muito menor escala): está num escalão senior com estilo de jogo muito diferente (quanto mais baixo, menos técnico e mais físico) e os resultados contam porque estar numa Liga2, 3 ou CP é muito diferente para a evolução dos jogadores.
Sobre o Artur Jorge penso que é alguém da casa capaz de transmitir o que é o clube, liderar uma equipa, tecnicamente parece ficar aquém para o patamar imediatamente abaixo da equipa principal.
Quem não sente não é filho de boa gente.
joaoPC Equipa Principal
  • *****
  • 2400
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #112 em: 11 de Dezembro de 2021, 17:46 »




2-4. Boa vitoria... mas não me parece que o nosso estilo de jogo beneficie a evolução dos jogadores, pelo menos no que é necessário para ser jogador da primeira equipa. Demasiado jogo direto, sempre em busca da profundidade. Deu frutos nesta partida, também pelos erros defensivos do adversário, mas a prioridade devia ser a evolução dos jogadores.

O canal 11 atribuiu o troféu de melhor jogador do encontro ao Rodrigo Gomes. Pois a mim, ver a sua escassa evolução deixa-me apreensivo. Ainda é muito novo, é verdade, mas continua com muita falta de discernimento. Os estímulos também são sempre para procurar a profundidade nas transições.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk
Ora nem mais!
E ainda há quem continue a sugerir o Artur Jorge para a equipa principal.

A falta de projecto é transversal a todo o futebol e não apenas ao da SAD (equipa principal).

Temos excelentes instalações, miúdos cheios de talento mas infelizmente não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal.
Falta de projeto enorme mas no entanto estamos em 1° na liga 3, em 1° nos sub-23 e em 2° nos sub-19.
Temos ainda no plantel principal e que são opções regulares (uns mais que outros obviamente) jogadores como o Moura, Bruno Rodrigues, Fabiano, Vitinha, Carmo.
O que seria do Braga se tivesse um projeto?

Imagina que o SCB escolhia o seu  treinador em função de um modelo de jogo e de uma identidade que, enquanto equipa, pretendia implementar, imagina ainda que quando esse treinador acabasse por sair seria contratado outro que se identificasse com o mesmo modelo de jogo e identidade de equipa para lhe dar continuidade, imagina ainda que a equipa B e os sub 23 trabalhavam de acordo com o modelo de jogo, princípios de jogo, sistema táctico e rotinas da equipa principal... mediante esse cenário imagina o quão mais fácil seria para os miúdos da formação se imporem na equipa principal e ao mesmo tempo imagina também o quão mais forte poderia ser a equipa principal em virtude de os seus treinadores serem escolhidos em função do referido modelo de jogo e identidade enquanto equipa e clube.
Quando disse que não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal era precisamente isto que queria dizer.

Isso é uma utopia para uma equipa como o Braga. Aliás, a única que deve ter tido sucesso nesse formato é o Barça.

Vamos supor que essa estratégia tinha começado com o Carvalhal. Tínhamos de ter escolhido para a equipa B e restantes da formação um treinador que use um sistema híbrido entre 4 e 5 defesas? Não consegues arranjar um treinador com esses princípios e tu queres 3 ou 4? Na formação não é isso que interessa.

Agora vamos chegar ao final do contrato do Carvalhal. Como é que tinhamos de proceder? Tínhamos todas as equipas da formação a trabalhar com o sistema híbrido (depois de miraculosamente termos arranjado treinadores com esses princípios) e o treinador que fossemos buscar tinha de ter estas ideias também para que este princípio se jogo mantenha?

Uma completa utopia o que propões.
Cada treinador tem as suas ideias e modelo de jogo e não cada clube.
Se disseres que queres para as equipas de formação treinadores que priveligiem futebol de posse e ataque continuado já é diferente mas isso não é estar preso a um estilo de jogo e sistema tático.
Se os treinadores para a equipa principal tivessem esse fio condutor a que me refiro, os treinadores da equipa B e Sub 23 continuavam o seu trabalho porque apesar do treinador da equipa principal ser outro o modelo de jogo mantinha-se...seria uma mudança estrutural e não conjuntural e ao sabor do vento como tem vindo a acontecer (salvo raras excepções mas que rapidamente são invertidas).
Mas como é que vais buscar treinadores para a equipa principal que usem o mesmo estilo de jogo e a mesma tática?
Isso é muito bonito no papel mas cada treinador tem o seu cunho pessoal e as suas ideias.
Qual o treinador que ias buscar para substituir o Carvalhal por exemplo? Ou que treinador tinhas ido buscar para substituir o Amorim?
(S)oon(C)hampion(B)raga
(S)oon(C)hampion(B)raga Equipa Principal
  • *****
  • 8265
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #113 em: 11 de Dezembro de 2021, 18:45 »




2-4. Boa vitoria... mas não me parece que o nosso estilo de jogo beneficie a evolução dos jogadores, pelo menos no que é necessário para ser jogador da primeira equipa. Demasiado jogo direto, sempre em busca da profundidade. Deu frutos nesta partida, também pelos erros defensivos do adversário, mas a prioridade devia ser a evolução dos jogadores.

O canal 11 atribuiu o troféu de melhor jogador do encontro ao Rodrigo Gomes. Pois a mim, ver a sua escassa evolução deixa-me apreensivo. Ainda é muito novo, é verdade, mas continua com muita falta de discernimento. Os estímulos também são sempre para procurar a profundidade nas transições.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk
Ora nem mais!
E ainda há quem continue a sugerir o Artur Jorge para a equipa principal.

A falta de projecto é transversal a todo o futebol e não apenas ao da SAD (equipa principal).

Temos excelentes instalações, miúdos cheios de talento mas infelizmente não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal.
Falta de projeto enorme mas no entanto estamos em 1° na liga 3, em 1° nos sub-23 e em 2° nos sub-19.
Temos ainda no plantel principal e que são opções regulares (uns mais que outros obviamente) jogadores como o Moura, Bruno Rodrigues, Fabiano, Vitinha, Carmo.
O que seria do Braga se tivesse um projeto?

Imagina que o SCB escolhia o seu  treinador em função de um modelo de jogo e de uma identidade que, enquanto equipa, pretendia implementar, imagina ainda que quando esse treinador acabasse por sair seria contratado outro que se identificasse com o mesmo modelo de jogo e identidade de equipa para lhe dar continuidade, imagina ainda que a equipa B e os sub 23 trabalhavam de acordo com o modelo de jogo, princípios de jogo, sistema táctico e rotinas da equipa principal... mediante esse cenário imagina o quão mais fácil seria para os miúdos da formação se imporem na equipa principal e ao mesmo tempo imagina também o quão mais forte poderia ser a equipa principal em virtude de os seus treinadores serem escolhidos em função do referido modelo de jogo e identidade enquanto equipa e clube.
Quando disse que não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal era precisamente isto que queria dizer.

Isso é uma utopia para uma equipa como o Braga. Aliás, a única que deve ter tido sucesso nesse formato é o Barça.

Vamos supor que essa estratégia tinha começado com o Carvalhal. Tínhamos de ter escolhido para a equipa B e restantes da formação um treinador que use um sistema híbrido entre 4 e 5 defesas? Não consegues arranjar um treinador com esses princípios e tu queres 3 ou 4? Na formação não é isso que interessa.

Agora vamos chegar ao final do contrato do Carvalhal. Como é que tinhamos de proceder? Tínhamos todas as equipas da formação a trabalhar com o sistema híbrido (depois de miraculosamente termos arranjado treinadores com esses princípios) e o treinador que fossemos buscar tinha de ter estas ideias também para que este princípio se jogo mantenha?

Uma completa utopia o que propões.
Cada treinador tem as suas ideias e modelo de jogo e não cada clube.
Se disseres que queres para as equipas de formação treinadores que priveligiem futebol de posse e ataque continuado já é diferente mas isso não é estar preso a um estilo de jogo e sistema tático.
Se os treinadores para a equipa principal tivessem esse fio condutor a que me refiro, os treinadores da equipa B e Sub 23 continuavam o seu trabalho porque apesar do treinador da equipa principal ser outro o modelo de jogo mantinha-se...seria uma mudança estrutural e não conjuntural e ao sabor do vento como tem vindo a acontecer (salvo raras excepções mas que rapidamente são invertidas).
Mas como é que vais buscar treinadores para a equipa principal que usem o mesmo estilo de jogo e a mesma tática?
Isso é muito bonito no papel mas cada treinador tem o seu cunho pessoal e as suas ideias.
Qual o treinador que ias buscar para substituir o Carvalhal por exemplo? Ou que treinador tinhas ido buscar para substituir o Amorim?

concordando contigo joaoPC...  e discordando completamente do lipeste... e se calhar com o que vou dizer a seguir não vai parecer... ou até vai parecer o contrário para alguns... mas cá vai...

DESDE O TEMPO DO ABEL QUE A EQUIPE DO BRAGA JOGA COM O MESMO MODELO DE JOGO... COM O MESMO "fio condutor"

desde o Abel... passando pelo Rubens Amorim... e também pelo custodio e artur jorge... e agora atualmente com o Carlos Carvalhal... sempre o mesmo modelo tático...

apenas mudaram alguns dos futebolistas... apenas mudaram algumas nuances taticas devido as características dos futebolistas que cada um dos treinadores que falei teve/tinha à disposição... e claro as próprias ideias dos treinadores/equipas técnicas...

mas desde o Abel que o sistema tático é o mesmo

343 ou 352 tem sido a base desde o Abel... depois cada um dos treinadores/equipas técnicas que por cá passou teve nuances técnico táticas de organização de jogo... e alguns do ponto de vista ofensivo normalmente atacam como 5 ou defendem com 6 etc e tal... mas a base... ou "o fio condutor" desde o Abel é o 343 ou 352... variando ao longo do tempo perante a ideia de cada equipa técnica
« Última modificação: 11 de Dezembro de 2021, 18:47 por (S)oon(C)hampion(B)raga »
Olho Vivo Equipa Principal
  • *****
  • 10192
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #114 em: 11 de Dezembro de 2021, 19:00 »
Onde esta discussão já vai! O que eu disse e repito é que a forma como vejo jogar a equipa B não estimula a criatividade com bola, o aperfeiçoamento do jogo associativo. A maior parte destes nossos jogadores estão ainda em formação!!! Reconheço que o contexto, para eles, é difícil - ainda hoje se viram as dificuldades que tivemos nas bolas divididas. Mas os resultados não são o mais importante - o único objetivo desportivo (para o clube, não para o grupo de trabalho, é claro) é a manutenção na liga 3. De resto, o fundamental é fazer evoluir aqueles jogadores. Eu, quando vejo as nossas equipas de formação, por sistema, a despejarem bolas na frente sem grande critério e com dificuldade no jogo associativo, fico preocupado.  Pode até ser eficaz para ganhar alguns jogos, mas não estimula os jogadores a evoluir naquilo que lhes permite tornarem-se melhores jogadores. Ter um jogo que permite que, por sistema (repito, por sistema), os jogadores batam na frente à procura das correrias dos nossos avançados, não os fará evoluir para aquilo que penso que o Braga quer (ou deveria querer).
De que serve ganhar nos escalões mais baixos se isso se faz sacrificando a evolução dos jogadores? Dou um exemplo: da equipa de juniores do Braga que foi campeã nacional em 2013-2014, quantos chegaram a um nível razoável de primeira liga? Pouquíssimos. Tirando o Tiago Sá, na posição específica de gr, só o Gil Dias. Sim, temos o Nené que vai jogando no Santa Clara e o Bukia no Arouca, sem destaque de maior e que dificilmente jogariam na nossa equipa. E o Núrio Fortuna que vai fazendo carreira no Gent (depois de em Portugal ninguém lhe ter pegado). Deu gozo ganhar? Deu. Mas mais importante do que isso é que daquela equipa tivesse saído uma mão cheia de jogadores com capacidade para, a prazo, jogarem na nossa equipa principal.
NightHawk
NightHawk Equipa Principal
  • *****
  • 4637
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #115 em: 11 de Dezembro de 2021, 19:44 »
A equipa B tem uma média de idades de 20 anos. E joga com vários miúdos de 18 a titulares. Se fosse simplesmente jogar um jogo de posse na Liga 3 com trintões com experiência de 1ª e 2ª liga seriam engolidos e iam parar ao CdP. A evolução destes miúdos dá-se ao terem que se bater de igual para igual com estes "calmeirões", terem que ganhar bolas divididas, a levaram porrada o jogo todo e terem que ganhar os jogos como der. Dos sub-23 para baixo sim, faz todo o sentido que o estilo de jogo seja um fator fundamental para a evolução dos jogadores, a partir daí é futebol sénior a sério e a evolução faz-se ganhando "calo", ritmo de jogo e inteligência tática e emocional. A evolução técnica  e tática é dos sub-23 para baixo.

Sobre projeto, não há clube nenhum em Portugal que tenha um projeto melhor definido que o Braga. E se houve um momento na história do clube que houve um projeto para o futebol é agora. Temos uma equipa B e sub-23 90% feita de jogadores da academia, temos vários jogadores na equipa A vindos da academia, vários deles a jogarem de forma consistente.

Jogar sempre da mesma forma, com o mesmo estilo e a mesma tática dos infantis à A? É uma utopia. Só conheço 2 casos a nível mundial com relativo sucesso. O Ajax e o Barça. O Ajax alterna 5 ou 6 anos bons com 3 ou 4 medíocres, dependendo das "fornadas". O Barça é o único caso de sucesso consecutivo baseado em jogadores da academia com um estilo de jogo igual desde a base. Começou a ruir há 3 ou 4 anos quando começaram a ir buscar jogadores de fora porque da B não vinha ninguém de jeito (e dava jeito às comissões do Bartomeu), caiu de vez com a saída do Messi e veremos quando volta e se volta nos mesmos moldes (o Xavi bem meteu 2 ou 3 miúdos mas afinal aquilo não é nível suficiente e áj andam atrás de gajos como o Cavani e o Sterling que de estilo "Barça" têm 0). São 2 exceções, não são a regra. E já agora, o modelo do Barça assentava em ter treinadores a virem da base para a A, com algumas exceções mas que mantinham minimamente o estilo (até o Koeman partir o estilo todo). Assim sendo o que faria sentido numa ótica de jogar sempre com o mesmo modelo era o Artur Jorge subir assim que o Carvalhal sair e depois quando o Artur sair voltar o Custódio.

Quando o Rodrigo, o Lukas ou o Schurrle forem jogar na A estarão muito mais preparados do que se tivessem no CdP a jogarem bonitinho mas perto da desproporção para os distritais. Se não podem com 2 porradas na Liga 3, não podem com a 1ª Liga.

Até ao momento, excelente trabalho da equipa B e dos sub-23. Do Artur e do Custódio.
« Última modificação: 11 de Dezembro de 2021, 19:50 por NightHawk »
Olho Vivo Equipa Principal
  • *****
  • 10192
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #116 em: 11 de Dezembro de 2021, 19:59 »
A equipa B tem uma média de idades de 20 anos. E joga com vários miúdos de 18 a titulares. Se fosse simplesmente jogar um jogo de posse na Liga 3 com trintões com experiência de 1ª e 2ª liga seriam engolidos e iam parar ao CdP. A evolução destes miúdos dá-se ao terem que se bater de igual para igual com estes "calmeirões", terem que ganhar bolas divididas, a levaram porrada o jogo todo e terem que ganhar os jogos como der. Dos sub-23 para baixo sim, faz todo o sentido que o estilo de jogo seja um fator fundamental para a evolução dos jogadores, a partir daí é futebol sénior a sério e a evolução faz-se ganhando "calo", ritmo de jogo e inteligência tática e emocional. A evolução técnica  e tática é dos sub-23 para baixo.

Sobre projeto, não há clube nenhum em Portugal que tenha um projeto melhor definido que o Braga. E se houve um momento na história do clube que houve um projeto para o futebol é agora. Temos uma equipa B e sub-23 90% feita de jogadores da academia, temos vários jogadores na equipa A vindos da academia, vários deles a jogarem de forma consistente.

Jogar sempre da mesma forma, com o mesmo estilo e a mesma tática dos infantis à A? É uma utopia. Só conheço 2 casos a nível mundial com relativo sucesso. O Ajax e o Barça. O Ajax alterna 5 ou 6 anos bons com 3 ou 4 medíocres, dependendo das "fornadas". O Barça é o único caso de sucesso consecutivo baseado em jogadores da academia com um estilo de jogo igual desde a base. Começou a ruir há 3 ou 4 anos quando começaram a ir buscar jogadores de fora porque da B não vinha ninguém de jeito (e dava jeito às comissões do Bartomeu), caiu de vez com a saída do Messi e veremos quando volta e se volta nos mesmos moldes (o Xavi bem meteu 2 ou 3 miúdos mas afinal aquilo não é nível suficiente e áj andam atrás de gajos como o Cavani e o Sterling que de estilo "Barça" têm 0). São 2 exceções, não são a regra. E já agora, o modelo do Barça assentava em ter treinadores a virem da base para a A, com algumas exceções mas que mantinham minimamente o estilo (até o Koeman partir o estilo todo). Assim sendo o que faria sentido numa ótica de jogar sempre com o mesmo modelo era o Artur Jorge subir assim que o Carvalhal sair e depois quando o Artur sair voltar o Custódio.

Quando o Rodrigo, o Lukas ou o Schurrle forem jogar na A estarão muito mais preparados do que se tivessem no CdP a jogarem bonitinho mas perto da desproporção para os distritais. Se não podem com 2 porradas na Liga 3, não podem com a 1ª Liga.

Até ao momento, excelente trabalho da equipa B e dos sub-23. Do Artur e do Custódio.
Não concordo. Este raciocínio peca por considerar que só há duas formas de jogar futebol. Se quisermos, que o Liverpool joga da mesma forma que o City. E não joga. E nenhuma destas equipas joga um futebol de chutão.
Para além disso, não tem comparação a forma de jogar da equipa B com os sub23, sendo certo que o tipo de adversários não é o mesmo.
Não vou entrar nas discussões filosóficas que para aqui andam, se temos ou não temos projeto. Será incompleto e muitas vezes inconsistente, mas nunca foi melhor do que é hoje.
Dito isto, não gosto do que tenho visto da equopa B. Quando vejo um jogo dos BB, não estou a torcer pela vitoria como se fosse um jogo da equipa principal. Estou sobretudo atento à evolução dos jogadores. E parece-me que esta forma de jogar não potencia muitos deles. Só isso.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk

100%SCB Equipa Principal
  • *****
  • 7980
  • Quando o erro for só erro o SC Braga será campeão!
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #117 em: 11 de Dezembro de 2021, 20:09 »
Colocar o Rodrigo Gomes a jogar como avançado, no limite do fora de jogo e sempre a procurar as costas da defesa adversária certamente não fará o jogador evoluir muito e ficar mais completo. Isto, pegando só no exemplo deste jogador.
FORÇA BRAGA
(S)oon(C)hampion(B)raga
(S)oon(C)hampion(B)raga Equipa Principal
  • *****
  • 8265
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #118 em: 11 de Dezembro de 2021, 20:13 »
A equipa B tem uma média de idades de 20 anos. E joga com vários miúdos de 18 a titulares. Se fosse simplesmente jogar um jogo de posse na Liga 3 com trintões com experiência de 1ª e 2ª liga seriam engolidos e iam parar ao CdP. A evolução destes miúdos dá-se ao terem que se bater de igual para igual com estes "calmeirões", terem que ganhar bolas divididas, a levaram porrada o jogo todo e terem que ganhar os jogos como der. Dos sub-23 para baixo sim, faz todo o sentido que o estilo de jogo seja um fator fundamental para a evolução dos jogadores, a partir daí é futebol sénior a sério e a evolução faz-se ganhando "calo", ritmo de jogo e inteligência tática e emocional. A evolução técnica  e tática é dos sub-23 para baixo.

Sobre projeto, não há clube nenhum em Portugal que tenha um projeto melhor definido que o Braga. E se houve um momento na história do clube que houve um projeto para o futebol é agora. Temos uma equipa B e sub-23 90% feita de jogadores da academia, temos vários jogadores na equipa A vindos da academia, vários deles a jogarem de forma consistente.

Jogar sempre da mesma forma, com o mesmo estilo e a mesma tática dos infantis à A? É uma utopia. Só conheço 2 casos a nível mundial com relativo sucesso. O Ajax e o Barça. O Ajax alterna 5 ou 6 anos bons com 3 ou 4 medíocres, dependendo das "fornadas". O Barça é o único caso de sucesso consecutivo baseado em jogadores da academia com um estilo de jogo igual desde a base. Começou a ruir há 3 ou 4 anos quando começaram a ir buscar jogadores de fora porque da B não vinha ninguém de jeito (e dava jeito às comissões do Bartomeu), caiu de vez com a saída do Messi e veremos quando volta e se volta nos mesmos moldes (o Xavi bem meteu 2 ou 3 miúdos mas afinal aquilo não é nível suficiente e áj andam atrás de gajos como o Cavani e o Sterling que de estilo "Barça" têm 0). São 2 exceções, não são a regra. E já agora, o modelo do Barça assentava em ter treinadores a virem da base para a A, com algumas exceções mas que mantinham minimamente o estilo (até o Koeman partir o estilo todo). Assim sendo o que faria sentido numa ótica de jogar sempre com o mesmo modelo era o Artur Jorge subir assim que o Carvalhal sair e depois quando o Artur sair voltar o Custódio.

Quando o Rodrigo, o Lukas ou o Schurrle forem jogar na A estarão muito mais preparados do que se tivessem no CdP a jogarem bonitinho mas perto da desproporção para os distritais. Se não podem com 2 porradas na Liga 3, não podem com a 1ª Liga.

Até ao momento, excelente trabalho da equipa B e dos sub-23. Do Artur e do Custódio.
Não concordo. Este raciocínio peca por considerar que só há duas formas de jogar futebol. Se quisermos, que o Liverpool joga da mesma forma que o City. E não joga. E nenhuma destas equipas joga um futebol de chutão.
Para além disso, não tem comparação a forma de jogar da equipa B com os sub23, sendo certo que o tipo de adversários não é o mesmo.
Não vou entrar nas discussões filosóficas que para aqui andam, se temos ou não temos projeto. Será incompleto e muitas vezes inconsistente, mas nunca foi melhor do que é hoje.
Dito isto, não gosto do que tenho visto da equopa B. Quando vejo um jogo dos BB, não estou a torcer pela vitoria como se fosse um jogo da equipa principal. Estou sobretudo atento à evolução dos jogadores. E parece-me que esta forma de jogar não potencia muitos deles. Só isso.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk

então ainda bem que não és treinador no SCB(qualquer nivel desde as escolinhas aos AA) pois quem lá anda com certeza tem outra maneira de ver o assunto, tanto é que desde o rubens cada vez mais futebolistas das equipas de base do SCBraga tem subido e jogado com regularidade na equipa principal.

se queres mais? se eu quero mais? SIM!!!!

se um berna ou um shrulle deviam estar na equipa AA em vez do chiquinho? SIM

se um Ricardo Gomes ou um kodizang, Djaló etc e tal, já mereciam hipóteses de calçar na equipa principal e o piazon devia ir com os porcos? SIM

etc

etc

etc

mas com certeza quem lá está... seja da equipa técnica seja da administração da SAD... tem avaliado isso mesmo... e o CC também já o afirmou publicamente que neste mercado de inverno ANTES DE OLHAR PARA CONTRATAÇÕES VAI-SE ESGOTAR TODAS AS ALTERNATIVAS INTERNAS ENTRE EQUIPA B/SUB-23/SUB-19...

achas que isso não é produzir desenvolver?

roma e pavia não se fizeram num dia!!!

e a academia passado 2 ou 3 anos da sua construção começa a dar os primeiros frutos...

há que aguardar o que as próximas temporadas nos reservam... nada mais há a que possamos fazer...
JR1287 Equipa Principal
  • *****
  • 3875
  Re: SC Braga B na Liga 3: 2021/22
« Responder #119 em: 11 de Dezembro de 2021, 20:25 »




2-4. Boa vitoria... mas não me parece que o nosso estilo de jogo beneficie a evolução dos jogadores, pelo menos no que é necessário para ser jogador da primeira equipa. Demasiado jogo direto, sempre em busca da profundidade. Deu frutos nesta partida, também pelos erros defensivos do adversário, mas a prioridade devia ser a evolução dos jogadores.

O canal 11 atribuiu o troféu de melhor jogador do encontro ao Rodrigo Gomes. Pois a mim, ver a sua escassa evolução deixa-me apreensivo. Ainda é muito novo, é verdade, mas continua com muita falta de discernimento. Os estímulos também são sempre para procurar a profundidade nas transições.

Enviado do meu SM-N950F através do Tapatalk
Ora nem mais!
E ainda há quem continue a sugerir o Artur Jorge para a equipa principal.

A falta de projecto é transversal a todo o futebol e não apenas ao da SAD (equipa principal).

Temos excelentes instalações, miúdos cheios de talento mas infelizmente não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal.
Falta de projeto enorme mas no entanto estamos em 1° na liga 3, em 1° nos sub-23 e em 2° nos sub-19.
Temos ainda no plantel principal e que são opções regulares (uns mais que outros obviamente) jogadores como o Moura, Bruno Rodrigues, Fabiano, Vitinha, Carmo.
O que seria do Braga se tivesse um projeto?

Imagina que o SCB escolhia o seu  treinador em função de um modelo de jogo e de uma identidade que, enquanto equipa, pretendia implementar, imagina ainda que quando esse treinador acabasse por sair seria contratado outro que se identificasse com o mesmo modelo de jogo e identidade de equipa para lhe dar continuidade, imagina ainda que a equipa B e os sub 23 trabalhavam de acordo com o modelo de jogo, princípios de jogo, sistema táctico e rotinas da equipa principal... mediante esse cenário imagina o quão mais fácil seria para os miúdos da formação se imporem na equipa principal e ao mesmo tempo imagina também o quão mais forte poderia ser a equipa principal em virtude de os seus treinadores serem escolhidos em função do referido modelo de jogo e identidade enquanto equipa e clube.
Quando disse que não temos um projecto com fio condutor entre a formação e a equipa principal era precisamente isto que queria dizer.

Isso é uma utopia para uma equipa como o Braga. Aliás, a única que deve ter tido sucesso nesse formato é o Barça.

Vamos supor que essa estratégia tinha começado com o Carvalhal. Tínhamos de ter escolhido para a equipa B e restantes da formação um treinador que use um sistema híbrido entre 4 e 5 defesas? Não consegues arranjar um treinador com esses princípios e tu queres 3 ou 4? Na formação não é isso que interessa.

Agora vamos chegar ao final do contrato do Carvalhal. Como é que tinhamos de proceder? Tínhamos todas as equipas da formação a trabalhar com o sistema híbrido (depois de miraculosamente termos arranjado treinadores com esses princípios) e o treinador que fossemos buscar tinha de ter estas ideias também para que este princípio se jogo mantenha?

Uma completa utopia o que propões.
Cada treinador tem as suas ideias e modelo de jogo e não cada clube.
Se disseres que queres para as equipas de formação treinadores que priveligiem futebol de posse e ataque continuado já é diferente mas isso não é estar preso a um estilo de jogo e sistema tático.
Se os treinadores para a equipa principal tivessem esse fio condutor a que me refiro, os treinadores da equipa B e Sub 23 continuavam o seu trabalho porque apesar do treinador da equipa principal ser outro o modelo de jogo mantinha-se...seria uma mudança estrutural e não conjuntural e ao sabor do vento como tem vindo a acontecer (salvo raras excepções mas que rapidamente são invertidas).

A questão do treinador, tal como colocada aqui, resolver-se-ia da mesma forma que a questão de ter um projeto de estilo de jogo, que passa por ter uma escola de jogadores a crescer e a jogar sempre de forma idêntica: criando uma escola de treinadores. Todos os treinadores da formação (pegando em treinadores em início de carreira) fariam uma preparação prévia no âmbito dos pressupostos de jogo do clube, começariam nas escolinhas, e depois iriam progressivamente subindo (tal como acontece com os jogadores). Ao fim de 10 ou 15 anos de casa (e com 30/35 anos de idade) chegariam aos sub-23 e à equipa B, e depois, como já foi referido acima, quando saísse o treinador da equipa principal, o da B subia, o dos sub-23 ia para a B, o dos sub-19 para os sub-23 e assim sucessivamente.
Aliás o Braga já tentou fazer isso, por exemplo com o José Carvalho Araújo, que começou a treinar na formação com vinte e poucos anos, treinou os escalões todos, foi subindo com os seus jogadores, e chegou à sub-23. Depois fartou-se de esperar, mas deve estar bem arrependido...
 

Anuncios M