Quantcast
Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
You are using an outdated browser. For a faster, safer browsing experience, upgrade for free today.
Anuncios M
Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
351 Respostas
57645 Visualizações
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
bstrider
bstrider Equipa Principal
  • *****
  • 1867
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #340 em: 27 de Setembro de 2021, 15:31 »
A participação em Braga foi de 57%, 11,5% acima da média nacional e 0,7% abaixo de 2017.
A participação nestas eleições em Braga não é problema.
Não me recordo também de tamanha quantidade de opções, com diversas forças a conseguirem deputados municipais.

Quanto à qualidade, se nenhuma serve, além do voto em branco há sempre opção de avançar. Se há coisa que não faltou no país e mesmo em Braga foram movimentos independentes (uns mais, outros menos) com vitórias ou prestações muito significativas.

E como se viu existiram mudanças políticas numa parte significativa das freguesias do concelho com presidentes a falhar o 3⁰ mandato, como aconteceu também um pouco por todo o país.

Se há parte da democracia que continua a demonstrar vitalidade são as eleições autárquicas, e as críticas aqui feitas, a estas eleições, pelas razões acima expostas só podem ser entendidas como não sabendo respeitar o resultado das urnas ou má fé para servir uma agenda política muito particular.

Completamente de acordo. Se houve eleição onde existiu pluralidade e existência de alternativas foi esta.

E mais, houve um sinal claro dos eleitores em retirar do poder alguns "DDT" que achavam que podiam fazer o que quisessem que nada os tirava do poder. Estas eleições mostraram em muitos casos uma participação da sociedade civil muito grande (como falaste, nos vários movimentos independentes - há 19 câmaras lideradas por movimentos independentes de cidadãos) e uma maturidade muito interessante em remover muitos daqueles que representavam o pior do poder político.

E a democracia começa e acaba nas eleições e na pluralidade que existe nelas?
Não acaba mas sim começa aí.
Apesar de existir um discurso que tudo está mal, a verdade é que basta olhar para a tv e os jornais e ver
1) estamos muito longe dessa falência da democracia que se anuncia aos 4 ventos
2) é o pior sistema com excepção de todos os outros. Longe com a "ditadura dos homens bons"

Não implica que as instituições em Portugal (que é que nos interessam) sofram de vícios, e precisem de ser continuamente monitorizadas e melhoradas. Mas isso só se faz com participação ativa e não postas de pescada ou mãos na cabeça.

1) a participação democrática no primeiros anos pós-25 de Abril é maior ou menor que a participação atual?
2) Ditaduras não é comigo, de certeza. Muito pelo contrário. Mas se achas que a democracia representativa atual é suficiente (muito pouco questionada/monitorizada porque os partidos do centrão continuam a ter o mesmo protagonismo), quando continuamos a ter direitos fundamentais (saúde, habitação, educação) em risco, enfim, não tenho muitos argumentos. Até em países claramente liberais vemos mais habitação pública, porque aqui em Portugal basta se falar em xuxalismo que o pessoal fica louco, quando na prática não existe socialismo. A cultura do individualismo e do lucro está à frente do bem comum coletivo e da igualdade e liberdade de oportunidades. Isto era o mínimo, podia-se fazer muito mais, porque este fetichismo da mercadoria vai continuar a manter tudo igual ou pior.
A4
A4 Equipa Principal
  • *****
  • 1943
  • Braga Sempre!
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #341 em: 27 de Setembro de 2021, 18:54 »
A gestão camarária de Ricardo Rio tem muitas críticas por onde se lhe pegar, agora esta crítica das "festas e festinhas" até usada por muitos opositores é só ridícula, já vamos em 2 anos sem festas e o pessoal continua a malhar nas festas e festinhas.

As festas e festinhas é só o maior dinámo que há para o comércio local, há vários estabelecimentos que se conseguiam equilibrar durante o ano por causa destas festas e festinhas (falo com conhecimento de causa), pior de tudo é haver quem ache é por causa das festas e festinhas que deixa de haver investimento para outras áreas. Um investimento na cultura, no lazer e no dinamismo e que trás um retorno enorme à maioria dos  pequenos estabelecimentos comerciais centrais, que trás imensa gente de fora e que fazem imensa publicidade à cidade.

Realmente há pessoal que tudo lhe faz comichão, até o ar que respiram. Que saudades que tenho de apanhar uma piela com os meus amigos numa Braga romana ou no São João. Venham mais festas e festinhas, preciso disso.
Anuncios M
Anuncios M
RcRb2
RcRb2 Juniores
  • ***
  • 298
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #342 em: 27 de Setembro de 2021, 19:01 »
A gestão camarária de Ricardo Rio tem muitas críticas por onde se lhe pegar, agora esta crítica das "festas e festinhas" até usada por muitos opositores é só ridícula, já vamos em 2 anos sem festas e o pessoal continua a malhar nas festas e festinhas.

As festas e festinhas é só o maior dinámo que há para o comércio local, há vários estabelecimentos que se conseguiam equilibrar durante o ano por causa destas festas e festinhas (falo com conhecimento de causa), pior de tudo é haver quem ache é por causa das festas e festinhas que deixa de haver investimento para outras áreas. Um investimento na cultura, no lazer e no dinamismo e que trás um retorno enorme à maioria dos  pequenos estabelecimentos comerciais centrais, que trás imensa gente de fora e que fazem imensa publicidade à cidade.

Realmente há pessoal que tudo lhe faz comichão, até o ar que respiram. Que saudades que tenho de apanhar uma piela com os meus amigos numa Braga romana ou no São João. Venham mais festas e festinhas, preciso disso.
Mas eu percebo essas críticas, são a fase mais visível do que a câmara fez. Praticamente a única coisa bem feita em 8 anos, turismo. Mas a cidade não é só comércio e restauração no centro, é muito mais, e as promessas de há 8 anos atrás continuam por cumprir encabeçada pelo nó de ínfias, a rolha da cidade, 8 anos, 2 estudos encomendados e milhões investidos para estar pior do que alguma vez esteve. A sorte do Rio é a incompetência do PS local, não se organiza para ter um candidato e programa de qualidade, se assim fizesse, se calhar a vitória seria menor ou podia até acontecer.como em Lisboa.

Enviado do meu M2102J20SG através do Tapatalk

A4
A4 Equipa Principal
  • *****
  • 1943
  • Braga Sempre!
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #343 em: 27 de Setembro de 2021, 19:23 »
Não sei qual será a melhor solução para o Nó de Infias, parece-me que hoje em dia a acumulação de trânsito no Nó de Infias é mais na rotunda do Sá de Miranda do que na direção Prado-Braga, falo por experiência própria que faço a variante do Cávado direção Prado-Braga todos os dias em hora de ponta ao final da tarde, lembro-me de à 3 anos apanhar fila praticamente na saída do Estádio, hoje em dia, não tem acontecido. A cidade cresceu, tem coisas boas e coisas más, o crescimento demográfico faz aumentar o trânsito. Não me parece que vá ser uma resolução fácil, mesmo fazendo os estudos, nada é certo. Ou pensam que o pessoal vai passar andar de bicicleta assim do nada? Isto demora anos a implementar. Porque acho que vai continuar a haver trânsito nessa zona com qualquer modificação que possam fazer.

Concordo que a gestão de RR deixou a desejar, agora, não vou usar dos argumentos das festas e festinhas e arraiais e malafaias, acho importantíssimo que a câmara faça isso.

Estavas ali a criticar os depósitos do lixo estarem sempre cheios, eu vejo-os a fazer recolhas do lixo todos os dias, ali no Bragaparque se todos forem deitar o lixo à mesma hora, os depósitos enchem em 5 minutos e não chega para todos, ou vão tirar mais lugares de estacionamento para meter depósitos do lixo?
 
Quanto ao PS não se organizar para ter um programa qualidade, estranho que o programa que o PS apresentou são exatamente medidas que estão relacionadas com aquilo que criticaste no teu ponto anterior. Qual é que era a tua solução, visto que reconheces exatamente os mesmos problemas que o HS reconheceu, mas não concordas com as ideias.

Anuncios V
AMartins
AMartins Equipa Principal
  • *****
  • 3107
  Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #344 em: 27 de Setembro de 2021, 20:32 »
Não sei qual será a melhor solução para o Nó de Infias, parece-me que hoje em dia a acumulação de trânsito no Nó de Infias é mais na rotunda do Sá de Miranda do que na direção Prado-Braga, falo por experiência própria que faço a variante do Cávado direção Prado-Braga todos os dias em hora de ponta ao final da tarde, lembro-me de à 3 anos apanhar fila praticamente na saída do Estádio, hoje em dia, não tem acontecido. A cidade cresceu, tem coisas boas e coisas más, o crescimento demográfico faz aumentar o trânsito. Não me parece que vá ser uma resolução fácil, mesmo fazendo os estudos, nada é certo. Ou pensam que o pessoal vai passar andar de bicicleta assim do nada? Isto demora anos a implementar. Porque acho que vai continuar a haver trânsito nessa zona com qualquer modificação que possam fazer.

Concordo que a gestão de RR deixou a desejar, agora, não vou usar dos argumentos das festas e festinhas e arraiais e malafaias, acho importantíssimo que a câmara faça isso.

Estavas ali a criticar os depósitos do lixo estarem sempre cheios, eu vejo-os a fazer recolhas do lixo todos os dias, ali no Bragaparque se todos forem deitar o lixo à mesma hora, os depósitos enchem em 5 minutos e não chega para todos, ou vão tirar mais lugares de estacionamento para meter depósitos do lixo?
 
Quanto ao PS não se organizar para ter um programa qualidade, estranho que o programa que o PS apresentou são exatamente medidas que estão relacionadas com aquilo que criticaste no teu ponto anterior. Qual é que era a tua solução, visto que reconheces exatamente os mesmos problemas que o HS reconheceu, mas não concordas com as ideias.
A solução para o nó de infias, assim como para muitos outros problemas nas vias de comunicação do concelho, é vontade e claro...dinheiro. Mas não é só a falta de dinheiro nos cofres da câmara, é a falta de saber aplicar o dinheiro e acima de tudo de de saber “chorar” por esse dinheiro. Um presidente da câmara de uma capital distrital com 200 mil habitantes tem de saber captar muito mais investimento estatal. O RR só sabe movimentar-se em bastidores “básicos”, lá vai promovendo a sua figura pessoal, se bem que nem assim ouvi falar no nome dele na noite eleitoral de ontem.

Só para aproveitar que falaste mobilidade...esta palhaçada das ciclovias pop-up é o espelho daquilo que o RR tem feito (principalmente neste último ciclo eleitoral)...poluição visual, inútil e sem o mínimo de utilidade para os cidadão.
« Última modificação: 27 de Setembro de 2021, 20:36 por AMartins »
Legião
Legião Equipa Principal
  • *****
  • 9176
  • Mágico Braga, Amor Eterno
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #345 em: 27 de Setembro de 2021, 21:04 »
O que ajudaria a resolver o problema do trânsito era a cidade ter metro como tem Lisboa e Porto e como se falou há uns anos ter em Coimbra mas duvido que esse investimento chegue a Braga num futuro próximo.

Vejo alguns políticos em Braga falar da necessidade da ligação Braga - Guimarães (curiosamente não oiço em Guimarães a pedirem o mesmo) eu não vejo que haja assim tanta necessidade disso acho que seria mais interessante, por exemplo, a ligação a Barcelos e Esposende (praias) mas antes de uma ou outra seria mais prioritário resolver o trânsito na cidade, o metro era muito bom mas acho difícil.
Bracara Avgvsta - Fidelis et antiqva
rpo.castro
rpo.castro Equipa Principal
  • *****
  • 14286
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #346 em: 27 de Setembro de 2021, 21:23 »
A participação em Braga foi de 57%, 11,5% acima da média nacional e 0,7% abaixo de 2017.
A participação nestas eleições em Braga não é problema.
Não me recordo também de tamanha quantidade de opções, com diversas forças a conseguirem deputados municipais.

Quanto à qualidade, se nenhuma serve, além do voto em branco há sempre opção de avançar. Se há coisa que não faltou no país e mesmo em Braga foram movimentos independentes (uns mais, outros menos) com vitórias ou prestações muito significativas.

E como se viu existiram mudanças políticas numa parte significativa das freguesias do concelho com presidentes a falhar o 3⁰ mandato, como aconteceu também um pouco por todo o país.

Se há parte da democracia que continua a demonstrar vitalidade são as eleições autárquicas, e as críticas aqui feitas, a estas eleições, pelas razões acima expostas só podem ser entendidas como não sabendo respeitar o resultado das urnas ou má fé para servir uma agenda política muito particular.

Completamente de acordo. Se houve eleição onde existiu pluralidade e existência de alternativas foi esta.

E mais, houve um sinal claro dos eleitores em retirar do poder alguns "DDT" que achavam que podiam fazer o que quisessem que nada os tirava do poder. Estas eleições mostraram em muitos casos uma participação da sociedade civil muito grande (como falaste, nos vários movimentos independentes - há 19 câmaras lideradas por movimentos independentes de cidadãos) e uma maturidade muito interessante em remover muitos daqueles que representavam o pior do poder político.

E a democracia começa e acaba nas eleições e na pluralidade que existe nelas?
Não acaba mas sim começa aí.
Apesar de existir um discurso que tudo está mal, a verdade é que basta olhar para a tv e os jornais e ver
1) estamos muito longe dessa falência da democracia que se anuncia aos 4 ventos
2) é o pior sistema com excepção de todos os outros. Longe com a "ditadura dos homens bons"

Não implica que as instituições em Portugal (que é que nos interessam) sofram de vícios, e precisem de ser continuamente monitorizadas e melhoradas. Mas isso só se faz com participação ativa e não postas de pescada ou mãos na cabeça.

1) a participação democrática no primeiros anos pós-25 de Abril é maior ou menor que a participação atual?
2) Ditaduras não é comigo, de certeza. Muito pelo contrário. Mas se achas que a democracia representativa atual é suficiente (muito pouco questionada/monitorizada porque os partidos do centrão continuam a ter o mesmo protagonismo), quando continuamos a ter direitos fundamentais (saúde, habitação, educação) em risco, enfim, não tenho muitos argumentos. Até em países claramente liberais vemos mais habitação pública, porque aqui em Portugal basta se falar em xuxalismo que o pessoal fica louco, quando na prática não existe socialismo. A cultura do individualismo e do lucro está à frente do bem comum coletivo e da igualdade e liberdade de oportunidades. Isto era o mínimo, podia-se fazer muito mais, porque este fetichismo da mercadoria vai continuar a manter tudo igual ou pior.
Pouco questionada ou monitorizada?
Monitorizada constantemente seja por entidades internas nomeadamente tribunais, sejam externas, com decisões para todos gostos e feitios.
Além disso sendo questionada e colocada nas nossas mãos em diversos atos eleitorais.
Os partidos são os mesmos? Na assembleia apareceram 4 recentemente. Nas autárquicas eram mais de uma dezena. Só na câmara de Coimbra estavam 7 numa candidatura.
Os partidos estão lá se calhar porque inventaram um sistema estúpido em que muitas pessoas podem votar no mesmo partido. Deve ser estúpido.
Temos poucos partido quando nunca tivemos tanto. São os mesmos que mandam quando os votos nunca estiveram pulverizados. Não sei, estamos a falar do mesmo país?

E olho para o Reino Unido, Alemanha e outros e vê se sempre os mesmos partidos no poder. Na Alemanha até têm a mania de votarem décadas a fio na mesma pessoa.

Uns reclamam que não está estado social. Outros que temos de acabar com o socialismo.
Ainda bem que ambos o podem dizer e o dizem. Significa que estão ambos certos e ambos errados e o dia a dia será feito buscando o equilíbrio entre os 2 extremos.

Não somos perfeitos, o sistema não é perfeito, mas não o trocava por outro sistema.
Quem não sente não é filho de boa gente.
rpo.castro
rpo.castro Equipa Principal
  • *****
  • 14286
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #347 em: 27 de Setembro de 2021, 21:51 »
Não sei qual será a melhor solução para o Nó de Infias, parece-me que hoje em dia a acumulação de trânsito no Nó de Infias é mais na rotunda do Sá de Miranda do que na direção Prado-Braga, falo por experiência própria que faço a variante do Cávado direção Prado-Braga todos os dias em hora de ponta ao final da tarde, lembro-me de à 3 anos apanhar fila praticamente na saída do Estádio, hoje em dia, não tem acontecido. A cidade cresceu, tem coisas boas e coisas más, o crescimento demográfico faz aumentar o trânsito. Não me parece que vá ser uma resolução fácil, mesmo fazendo os estudos, nada é certo. Ou pensam que o pessoal vai passar andar de bicicleta assim do nada? Isto demora anos a implementar. Porque acho que vai continuar a haver trânsito nessa zona com qualquer modificação que possam fazer.

Concordo que a gestão de RR deixou a desejar, agora, não vou usar dos argumentos das festas e festinhas e arraiais e malafaias, acho importantíssimo que a câmara faça isso.

Estavas ali a criticar os depósitos do lixo estarem sempre cheios, eu vejo-os a fazer recolhas do lixo todos os dias, ali no Bragaparque se todos forem deitar o lixo à mesma hora, os depósitos enchem em 5 minutos e não chega para todos, ou vão tirar mais lugares de estacionamento para meter depósitos do lixo?
 
Quanto ao PS não se organizar para ter um programa qualidade, estranho que o programa que o PS apresentou são exatamente medidas que estão relacionadas com aquilo que criticaste no teu ponto anterior. Qual é que era a tua solução, visto que reconheces exatamente os mesmos problemas que o HS reconheceu, mas não concordas com as ideias.
A solução para o nó de infias, assim como para muitos outros problemas nas vias de comunicação do concelho, é vontade e claro...dinheiro. Mas não é só a falta de dinheiro nos cofres da câmara, é a falta de saber aplicar o dinheiro e acima de tudo de de saber “chorar” por esse dinheiro. Um presidente da câmara de uma capital distrital com 200 mil habitantes tem de saber captar muito mais investimento estatal. O RR só sabe movimentar-se em bastidores “básicos”, lá vai promovendo a sua figura pessoal, se bem que nem assim ouvi falar no nome dele na noite eleitoral de ontem.

Só para aproveitar que falaste mobilidade...esta palhaçada das ciclovias pop-up é o espelho daquilo que o RR tem feito (principalmente neste último ciclo eleitoral)...poluição visual, inútil e sem o mínimo de utilidade para os cidadão.
Eu que faço Prado-Enfias de manhã acho que está pior, principalmente tendo em conta que não devemos ter o número de veículos que tínhamos antes pandemia.
A fila de manhã muito antes das 8 de quem vem de vila verde é uma coisa absurda.
E noto que a chegar a enfias vindo de norte, há trânsito até mais tarde. É a minha percepção.

Mas a solução não é fácil. Por isso não se fez.
Nem pode ser medida avulso.
Exige um planeamento para o futuro da cidade a ser feito em vários mandatos, mas que ninguém começa.

Há demasiados carros no centro e isso é o principal problema. Mesmo que se alarguem as vias (as vias de cintura interna) o centro não escoa.

No porto o metro veio resolver grande parte do problema pk deixou muitos carros na periferia.
Em Braga não sei se o metro é solução.
Não há espaço para metro de superfície. O custo de um metro subterrâneo implica uma procura que nunca irá existir. Perto de Lisboa existem linhas de metro, mal planeadas, que só geram despesa.

Também torço um bocado o nariz ao metro bus Braga Guimarães. Até pode ser positivo mas não vejo que tenha grande impacto.

À treinador de bancada, diria que teriam de existir parques estacionamento a preços reduzidos (tipo metro do porto), corredores bus (ou seja ruas sem trânsito não residente) e TUB de qualidade.
Claro que qualquer direção deveria estar devidamente suportada.
Imaginam a reacção popular quando for dito que as pessoas não podem estacionar à porta do banco ou da pastelaria e terão de andar uns minutos a pé ou de autocarro?
E de que será acusada a pessoa que quiser implementar isso.

As ciclovias são para inglês ver ou para fazer número. Para ver um local pior só indo a vila verde em que a totalidade de um passeio de dimensão reduzida passou a ciclovia. Sais de casa e simplesmente não tens passeio. Ridículo.

Ainda pior em Lamaçães zona de bom escoamento de águas como se sabe, reduziu se ou eliminou se as poucas zonas verdes na berma ou meio da estrada para que apareçam ciclovias, impermeabilizando se o solo.

Dinheiro do estado central.
Vimos bem esta campanha nacional. Votem em mim que a bazuca chega.
Sabemos bem qual a ordem. Lisboa Lisboa lisboa porto Lisboa porto. Sobrou algo? Província.

O que pode fazer Braga?
Pode não ter só uma voz (executivo) a reclamar mas várias vozes de cores diferentes.  Oposição não significa só dizer não.
Mas como ainda há dias dizia se que a cidade crescia bem no tempo da outra senhora (a de cá de Braga).

Mas este tema assim como os preços das casas é algo que foi tema de praticamente todas as autarquicas.
É um sinal de tempos que mudaram mais de pressa do que estamos a conseguir lidar.
Não é exclusivo cá. Aconteceu e continua acontecer lá por fora. Uns lidando melhor outros nem tanto, apesar de como sempre em Portugal as coisas acontecerem um pouco mais tarde.

Mas olhando para o passado nunca terá havido altura que não existissem problemas, que as pessoas estivessem satisfeitas. Sem problemas não há soluções, não há evolução.
Felizmente temas que no passado nem existiam, hoje merecem atenção (por exemplo alterações climáticas). Uns dizem muito pouco. Outros que se estão a desviar de outros temas igualmente importantes. Ainda bem que não estão todos de acordo.
Quem não sente não é filho de boa gente.
Anuncios M
Anuncios M
bstrider
bstrider Equipa Principal
  • *****
  • 1867
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #348 em: 27 de Setembro de 2021, 22:20 »
A participação em Braga foi de 57%, 11,5% acima da média nacional e 0,7% abaixo de 2017.
A participação nestas eleições em Braga não é problema.
Não me recordo também de tamanha quantidade de opções, com diversas forças a conseguirem deputados municipais.

Quanto à qualidade, se nenhuma serve, além do voto em branco há sempre opção de avançar. Se há coisa que não faltou no país e mesmo em Braga foram movimentos independentes (uns mais, outros menos) com vitórias ou prestações muito significativas.

E como se viu existiram mudanças políticas numa parte significativa das freguesias do concelho com presidentes a falhar o 3⁰ mandato, como aconteceu também um pouco por todo o país.

Se há parte da democracia que continua a demonstrar vitalidade são as eleições autárquicas, e as críticas aqui feitas, a estas eleições, pelas razões acima expostas só podem ser entendidas como não sabendo respeitar o resultado das urnas ou má fé para servir uma agenda política muito particular.

Completamente de acordo. Se houve eleição onde existiu pluralidade e existência de alternativas foi esta.

E mais, houve um sinal claro dos eleitores em retirar do poder alguns "DDT" que achavam que podiam fazer o que quisessem que nada os tirava do poder. Estas eleições mostraram em muitos casos uma participação da sociedade civil muito grande (como falaste, nos vários movimentos independentes - há 19 câmaras lideradas por movimentos independentes de cidadãos) e uma maturidade muito interessante em remover muitos daqueles que representavam o pior do poder político.

E a democracia começa e acaba nas eleições e na pluralidade que existe nelas?
Não acaba mas sim começa aí.
Apesar de existir um discurso que tudo está mal, a verdade é que basta olhar para a tv e os jornais e ver
1) estamos muito longe dessa falência da democracia que se anuncia aos 4 ventos
2) é o pior sistema com excepção de todos os outros. Longe com a "ditadura dos homens bons"

Não implica que as instituições em Portugal (que é que nos interessam) sofram de vícios, e precisem de ser continuamente monitorizadas e melhoradas. Mas isso só se faz com participação ativa e não postas de pescada ou mãos na cabeça.

1) a participação democrática no primeiros anos pós-25 de Abril é maior ou menor que a participação atual?
2) Ditaduras não é comigo, de certeza. Muito pelo contrário. Mas se achas que a democracia representativa atual é suficiente (muito pouco questionada/monitorizada porque os partidos do centrão continuam a ter o mesmo protagonismo), quando continuamos a ter direitos fundamentais (saúde, habitação, educação) em risco, enfim, não tenho muitos argumentos. Até em países claramente liberais vemos mais habitação pública, porque aqui em Portugal basta se falar em xuxalismo que o pessoal fica louco, quando na prática não existe socialismo. A cultura do individualismo e do lucro está à frente do bem comum coletivo e da igualdade e liberdade de oportunidades. Isto era o mínimo, podia-se fazer muito mais, porque este fetichismo da mercadoria vai continuar a manter tudo igual ou pior.
Pouco questionada ou monitorizada?
Monitorizada constantemente seja por entidades internas nomeadamente tribunais, sejam externas, com decisões para todos gostos e feitios.
Além disso sendo questionada e colocada nas nossas mãos em diversos atos eleitorais.
Os partidos são os mesmos? Na assembleia apareceram 4 recentemente. Nas autárquicas eram mais de uma dezena. Só na câmara de Coimbra estavam 7 numa candidatura.
Os partidos estão lá se calhar porque inventaram um sistema estúpido em que muitas pessoas podem votar no mesmo partido. Deve ser estúpido.
Temos poucos partido quando nunca tivemos tanto. São os mesmos que mandam quando os votos nunca estiveram pulverizados. Não sei, estamos a falar do mesmo país?

E olho para o Reino Unido, Alemanha e outros e vê se sempre os mesmos partidos no poder. Na Alemanha até têm a mania de votarem décadas a fio na mesma pessoa.

Uns reclamam que não está estado social. Outros que temos de acabar com o socialismo.
Ainda bem que ambos o podem dizer e o dizem. Significa que estão ambos certos e ambos errados e o dia a dia será feito buscando o equilíbrio entre os 2 extremos.

Não somos perfeitos, o sistema não é perfeito, mas não o trocava por outro sistema.


Tu gostas mesmo de bater em coisas que eu não disse. Falas em liberdade de expressão e de opinião, eu nunca me mostrei contra, bem pelo contrário. Falas em existência de partidos e não foi isso que eu questionei. Mas se achas que a democracia se cinge à existência de partidos, que só porque existem vários partidos então os partidos ou as instâncias governamentais estão a fazer um bom trabalho, enfim. Tá tudo bem. Só para teres noção (e porque é ao nível local que tudo começa), até 2011 se não estou em erro existia uma Inspeção Geral da Administração Local. No último ano de funcionamento, fizeram cerca de 171 participações ao ministério público. A organização que a sucedeu foi incluída na Inspeção Geral das Finanças e no primeiro ano de funcionamento fez 4 participações. Mas sim, está tudo a funcionar muito bem. Está tudo a funcionar muito bem quando em Braga se gastam 2,8 milhões de euros a requalificar uma ciclovia que custou 300 mil no tempo do Rei Sol MM e a fazer mais 800 metros de ciclovia da Rodovia à UMinho. Está tudo a funcionar muito bem quando se paga mensalmente 13mil euros à Igreja para meter uma lona na fachada do São Geraldo, desde Março de 2018 (a conta vai em meio milhão de euros). Está tudo muito bem quando se vai gastar milhões na compra de parcelas privadas das 7 Fontes para fazer um parque urbano quando em 2017 se entregou a privados um Parque Norte (aquela zona que o RR gosta de falar à boca cheia xD) de borla, um terreno avaliado em 4,5M. Está tudo bem quando se compra um imovel de interesse público por mais de 3M, passam 8 anos à volta daquilo e depois entregam para fazerem uma residência universitária, até fazem o projeto ao privado e tudo...Sempre muito amigos do privado, sim senhor :D Mas sim, está tudo bem! :b
O que importa é fazer democracia com os que se interessam e é com a opinião dos que se interessam que se faz democracia. Os outros se não se interessam, são eles que estão mal e não há nada a fazer xb Perguntei-te se havia mais participação democrática no pós 25 de Abril, tu vieste com o número de partidos como se isso implicasse maior participação de eleitores na democracia do dia-a-dia. Eu estou-te a falar do número de pessoas que se envolvem na política e para se envolverem na política não precisam de ir para um partido, só têm de participar nas assembleias, questionar os políticos (para isso os políticos têm de estar com eles e não é a dizer 'Bom dia Sr Presidente! Abraços e beijinhos para a família e ao Tareco! <3'), fazer participações ao MP se assim for necessário. Achas mesmo que o Mercado (incluindo derrapagens) ficou bem feito? Achas que os feirantes que antes faziam a feira no estacionamento do PEB, estão satisfeitos? Achas que eles não comunicaram isso ao presidente? É óbvio que é complicado as pessoas participarem mais. Têm lá tempo para se envolver no dia-a-dia da sua freguesia quando têm que trabalhar 8 ou mais horas por dia, fazer a deslocação casa-trabalho e vice-versa, cuidar dos filhos, fazer compras (coisas que não precisam normalmente), desfrutar minimamente da vida... As pessoas estão tão alienadas na sua rotina capitalista que não têm tempo para de facto questionar o seu presidente da junta porque é que tá a gastar dinheiro em coisas que só vão beneficiar o Zé e o Quim... Esperar mais das pessoas com toda esta rotina é injusto, admito, mas se ninguém o fizer as coisas ficam ainda piores. Para concluir, dizer que o capitalismo é o melhor sistema (porque é nisto que vivemos, não é numa democracia, caso contrário a democracia não era feita ao sabor do interesse capitalista) é de uma alienação completa. Mas ainda bem que estás num patamar social em que te permite achar isso, não te desejo nada de mal.
rpo.castro
rpo.castro Equipa Principal
  • *****
  • 14286
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #349 em: 27 de Setembro de 2021, 23:06 »


A participação em Braga foi de 57%, 11,5% acima da média nacional e 0,7% abaixo de 2017.
A participação nestas eleições em Braga não é problema.
Não me recordo também de tamanha quantidade de opções, com diversas forças a conseguirem deputados municipais.

Quanto à qualidade, se nenhuma serve, além do voto em branco há sempre opção de avançar. Se há coisa que não faltou no país e mesmo em Braga foram movimentos independentes (uns mais, outros menos) com vitórias ou prestações muito significativas.

E como se viu existiram mudanças políticas numa parte significativa das freguesias do concelho com presidentes a falhar o 3⁰ mandato, como aconteceu também um pouco por todo o país.

Se há parte da democracia que continua a demonstrar vitalidade são as eleições autárquicas, e as críticas aqui feitas, a estas eleições, pelas razões acima expostas só podem ser entendidas como não sabendo respeitar o resultado das urnas ou má fé para servir uma agenda política muito particular.

Completamente de acordo. Se houve eleição onde existiu pluralidade e existência de alternativas foi esta.

E mais, houve um sinal claro dos eleitores em retirar do poder alguns "DDT" que achavam que podiam fazer o que quisessem que nada os tirava do poder. Estas eleições mostraram em muitos casos uma participação da sociedade civil muito grande (como falaste, nos vários movimentos independentes - há 19 câmaras lideradas por movimentos independentes de cidadãos) e uma maturidade muito interessante em remover muitos daqueles que representavam o pior do poder político.

E a democracia começa e acaba nas eleições e na pluralidade que existe nelas?
Não acaba mas sim começa aí.
Apesar de existir um discurso que tudo está mal, a verdade é que basta olhar para a tv e os jornais e ver
1) estamos muito longe dessa falência da democracia que se anuncia aos 4 ventos
2) é o pior sistema com excepção de todos os outros. Longe com a "ditadura dos homens bons"

Não implica que as instituições em Portugal (que é que nos interessam) sofram de vícios, e precisem de ser continuamente monitorizadas e melhoradas. Mas isso só se faz com participação ativa e não postas de pescada ou mãos na cabeça.

1) a participação democrática no primeiros anos pós-25 de Abril é maior ou menor que a participação atual?
2) Ditaduras não é comigo, de certeza. Muito pelo contrário. Mas se achas que a democracia representativa atual é suficiente (muito pouco questionada/monitorizada porque os partidos do centrão continuam a ter o mesmo protagonismo), quando continuamos a ter direitos fundamentais (saúde, habitação, educação) em risco, enfim, não tenho muitos argumentos. Até em países claramente liberais vemos mais habitação pública, porque aqui em Portugal basta se falar em xuxalismo que o pessoal fica louco, quando na prática não existe socialismo. A cultura do individualismo e do lucro está à frente do bem comum coletivo e da igualdade e liberdade de oportunidades. Isto era o mínimo, podia-se fazer muito mais, porque este fetichismo da mercadoria vai continuar a manter tudo igual ou pior.
Pouco questionada ou monitorizada?
Monitorizada constantemente seja por entidades internas nomeadamente tribunais, sejam externas, com decisões para todos gostos e feitios.
Além disso sendo questionada e colocada nas nossas mãos em diversos atos eleitorais.
Os partidos são os mesmos? Na assembleia apareceram 4 recentemente. Nas autárquicas eram mais de uma dezena. Só na câmara de Coimbra estavam 7 numa candidatura.
Os partidos estão lá se calhar porque inventaram um sistema estúpido em que muitas pessoas podem votar no mesmo partido. Deve ser estúpido.
Temos poucos partido quando nunca tivemos tanto. São os mesmos que mandam quando os votos nunca estiveram pulverizados. Não sei, estamos a falar do mesmo país?

E olho para o Reino Unido, Alemanha e outros e vê se sempre os mesmos partidos no poder. Na Alemanha até têm a mania de votarem décadas a fio na mesma pessoa.

Uns reclamam que não está estado social. Outros que temos de acabar com o socialismo.
Ainda bem que ambos o podem dizer e o dizem. Significa que estão ambos certos e ambos errados e o dia a dia será feito buscando o equilíbrio entre os 2 extremos.

Não somos perfeitos, o sistema não é perfeito, mas não o trocava por outro sistema.


Tu gostas mesmo de bater em coisas que eu não disse. Falas em liberdade de expressão e de opinião, eu nunca me mostrei contra, bem pelo contrário. Falas em existência de partidos e não foi isso que eu questionei. Mas se achas que a democracia se cinge à existência de partidos, que só porque existem vários partidos então os partidos ou as instâncias governamentais estão a fazer um bom trabalho, enfim. Tá tudo bem. Só para teres noção (e porque é ao nível local que tudo começa), até 2011 se não estou em erro existia uma Inspeção Geral da Administração Local. No último ano de funcionamento, fizeram cerca de 171 participações ao ministério público. A organização que a sucedeu foi incluída na Inspeção Geral das Finanças e no primeiro ano de funcionamento fez 4 participações. Mas sim, está tudo a funcionar muito bem. Está tudo a funcionar muito bem quando em Braga se gastam 2,8 milhões de euros a requalificar uma ciclovia que custou 300 mil no tempo do Rei Sol MM e a fazer mais 800 metros de ciclovia da Rodovia à UMinho. Está tudo a funcionar muito bem quando se paga mensalmente 13mil euros à Igreja para meter uma lona na fachada do São Geraldo, desde Março de 2018 (a conta vai em meio milhão de euros). Está tudo muito bem quando se vai gastar milhões na compra de parcelas privadas das 7 Fontes para fazer um parque urbano quando em 2017 se entregou a privados um Parque Norte (aquela zona que o RR gosta de falar à boca cheia xD) de borla, um terreno avaliado em 4,5M. Está tudo bem quando se compra um imovel de interesse público por mais de 3M, passam 8 anos à volta daquilo e depois entregam para fazerem uma residência universitária, até fazem o projeto ao privado e tudo...Sempre muito amigos do privado, sim senhor :D Mas sim, está tudo bem! :b
O que importa é fazer democracia com os que se interessam e é com a opinião dos que se interessam que se faz democracia. Os outros se não se interessam, são eles que estão mal e não há nada a fazer xb Perguntei-te se havia mais participação democrática no pós 25 de Abril, tu vieste com o número de partidos como se isso implicasse maior participação de eleitores na democracia do dia-a-dia. Eu estou-te a falar do número de pessoas que se envolvem na política e para se envolverem na política não precisam de ir para um partido, só têm de participar nas assembleias, questionar os políticos (para isso os políticos têm de estar com eles e não é a dizer 'Bom dia Sr Presidente! Abraços e beijinhos para a família e ao Tareco! <3'), fazer participações ao MP se assim for necessário. Achas mesmo que o Mercado (incluindo derrapagens) ficou bem feito? Achas que os feirantes que antes faziam a feira no estacionamento do PEB, estão satisfeitos? Achas que eles não comunicaram isso ao presidente? É óbvio que é complicado as pessoas participarem mais. Têm lá tempo para se envolver no dia-a-dia da sua freguesia quando têm que trabalhar 8 ou mais horas por dia, fazer a deslocação casa-trabalho e vice-versa, cuidar dos filhos, fazer compras (coisas que não precisam normalmente), desfrutar minimamente da vida... As pessoas estão tão alienadas na sua rotina capitalista que não têm tempo para de facto questionar o seu presidente da junta porque é que tá a gastar dinheiro em coisas que só vão beneficiar o Zé e o Quim... Esperar mais das pessoas com toda esta rotina é injusto, admito, mas se ninguém o fizer as coisas ficam ainda piores. Para concluir, dizer que o capitalismo é o melhor sistema (porque é nisto que vivemos, não é numa democracia, caso contrário a democracia não era feita ao sabor do interesse capitalista) é de uma alienação completa. Mas ainda bem que estás num patamar social em que te permite achar isso, não te desejo nada de mal.

Participação democrática no pós 25 abril? PREC's e ocupações? É isso participação democrática?
Hoje em dia qualquer pessoa tem muito mais informação e muitos mais instrumentos para participar, questionar e denunciar.
Precisam de muito menos tempo para o fazer, e mais tempo para o fazer. Apenas uma pequena franja nessa altura trabalharia menos horas do que atualmente.
Falo te em partidos e em movimentos de cidadãos. Não se resumem ao Santana (que por acaso teve os 2 maiores partidos a tudo fazer para que não concorresse) ou ao Rui Moreira. Nunca foi tão fácil a alguém dizer eu faço melhor. Nunca foi tão fácil alguém apresentar as suas ideias por muito alienadas que sejam. E têm ganho sim
Algo que tem apenas 45 anos mas que há 20 anos se houve falar de estar em falência, de estar podre.
Flagelo de abstenção como se em 1985 não estivéssemos já perto dos 40%, valor próximo ao verificado em Braga este ano.
Tu dizes que vives em capitalismo-palavras tuas, não minhas. Muitos dizem que vivemos em socialismo contra o qual temos que correr.
É a tua opinião. É a opinião deles. Eu tenho a minha e vivo bem com isso, embora há dias tenha sido acusado de ser comunista, hoje sou capitalista. Pra semana devo ser liberal e na seguinte anarquista.
Quem não sente não é filho de boa gente.
bstrider
bstrider Equipa Principal
  • *****
  • 1867
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #350 em: 27 de Setembro de 2021, 23:18 »


A participação em Braga foi de 57%, 11,5% acima da média nacional e 0,7% abaixo de 2017.
A participação nestas eleições em Braga não é problema.
Não me recordo também de tamanha quantidade de opções, com diversas forças a conseguirem deputados municipais.

Quanto à qualidade, se nenhuma serve, além do voto em branco há sempre opção de avançar. Se há coisa que não faltou no país e mesmo em Braga foram movimentos independentes (uns mais, outros menos) com vitórias ou prestações muito significativas.

E como se viu existiram mudanças políticas numa parte significativa das freguesias do concelho com presidentes a falhar o 3⁰ mandato, como aconteceu também um pouco por todo o país.

Se há parte da democracia que continua a demonstrar vitalidade são as eleições autárquicas, e as críticas aqui feitas, a estas eleições, pelas razões acima expostas só podem ser entendidas como não sabendo respeitar o resultado das urnas ou má fé para servir uma agenda política muito particular.

Completamente de acordo. Se houve eleição onde existiu pluralidade e existência de alternativas foi esta.

E mais, houve um sinal claro dos eleitores em retirar do poder alguns "DDT" que achavam que podiam fazer o que quisessem que nada os tirava do poder. Estas eleições mostraram em muitos casos uma participação da sociedade civil muito grande (como falaste, nos vários movimentos independentes - há 19 câmaras lideradas por movimentos independentes de cidadãos) e uma maturidade muito interessante em remover muitos daqueles que representavam o pior do poder político.

E a democracia começa e acaba nas eleições e na pluralidade que existe nelas?
Não acaba mas sim começa aí.
Apesar de existir um discurso que tudo está mal, a verdade é que basta olhar para a tv e os jornais e ver
1) estamos muito longe dessa falência da democracia que se anuncia aos 4 ventos
2) é o pior sistema com excepção de todos os outros. Longe com a "ditadura dos homens bons"

Não implica que as instituições em Portugal (que é que nos interessam) sofram de vícios, e precisem de ser continuamente monitorizadas e melhoradas. Mas isso só se faz com participação ativa e não postas de pescada ou mãos na cabeça.

1) a participação democrática no primeiros anos pós-25 de Abril é maior ou menor que a participação atual?
2) Ditaduras não é comigo, de certeza. Muito pelo contrário. Mas se achas que a democracia representativa atual é suficiente (muito pouco questionada/monitorizada porque os partidos do centrão continuam a ter o mesmo protagonismo), quando continuamos a ter direitos fundamentais (saúde, habitação, educação) em risco, enfim, não tenho muitos argumentos. Até em países claramente liberais vemos mais habitação pública, porque aqui em Portugal basta se falar em xuxalismo que o pessoal fica louco, quando na prática não existe socialismo. A cultura do individualismo e do lucro está à frente do bem comum coletivo e da igualdade e liberdade de oportunidades. Isto era o mínimo, podia-se fazer muito mais, porque este fetichismo da mercadoria vai continuar a manter tudo igual ou pior.
Pouco questionada ou monitorizada?
Monitorizada constantemente seja por entidades internas nomeadamente tribunais, sejam externas, com decisões para todos gostos e feitios.
Além disso sendo questionada e colocada nas nossas mãos em diversos atos eleitorais.
Os partidos são os mesmos? Na assembleia apareceram 4 recentemente. Nas autárquicas eram mais de uma dezena. Só na câmara de Coimbra estavam 7 numa candidatura.
Os partidos estão lá se calhar porque inventaram um sistema estúpido em que muitas pessoas podem votar no mesmo partido. Deve ser estúpido.
Temos poucos partido quando nunca tivemos tanto. São os mesmos que mandam quando os votos nunca estiveram pulverizados. Não sei, estamos a falar do mesmo país?

E olho para o Reino Unido, Alemanha e outros e vê se sempre os mesmos partidos no poder. Na Alemanha até têm a mania de votarem décadas a fio na mesma pessoa.

Uns reclamam que não está estado social. Outros que temos de acabar com o socialismo.
Ainda bem que ambos o podem dizer e o dizem. Significa que estão ambos certos e ambos errados e o dia a dia será feito buscando o equilíbrio entre os 2 extremos.

Não somos perfeitos, o sistema não é perfeito, mas não o trocava por outro sistema.


Tu gostas mesmo de bater em coisas que eu não disse. Falas em liberdade de expressão e de opinião, eu nunca me mostrei contra, bem pelo contrário. Falas em existência de partidos e não foi isso que eu questionei. Mas se achas que a democracia se cinge à existência de partidos, que só porque existem vários partidos então os partidos ou as instâncias governamentais estão a fazer um bom trabalho, enfim. Tá tudo bem. Só para teres noção (e porque é ao nível local que tudo começa), até 2011 se não estou em erro existia uma Inspeção Geral da Administração Local. No último ano de funcionamento, fizeram cerca de 171 participações ao ministério público. A organização que a sucedeu foi incluída na Inspeção Geral das Finanças e no primeiro ano de funcionamento fez 4 participações. Mas sim, está tudo a funcionar muito bem. Está tudo a funcionar muito bem quando em Braga se gastam 2,8 milhões de euros a requalificar uma ciclovia que custou 300 mil no tempo do Rei Sol MM e a fazer mais 800 metros de ciclovia da Rodovia à UMinho. Está tudo a funcionar muito bem quando se paga mensalmente 13mil euros à Igreja para meter uma lona na fachada do São Geraldo, desde Março de 2018 (a conta vai em meio milhão de euros). Está tudo muito bem quando se vai gastar milhões na compra de parcelas privadas das 7 Fontes para fazer um parque urbano quando em 2017 se entregou a privados um Parque Norte (aquela zona que o RR gosta de falar à boca cheia xD) de borla, um terreno avaliado em 4,5M. Está tudo bem quando se compra um imovel de interesse público por mais de 3M, passam 8 anos à volta daquilo e depois entregam para fazerem uma residência universitária, até fazem o projeto ao privado e tudo...Sempre muito amigos do privado, sim senhor :D Mas sim, está tudo bem! :b
O que importa é fazer democracia com os que se interessam e é com a opinião dos que se interessam que se faz democracia. Os outros se não se interessam, são eles que estão mal e não há nada a fazer xb Perguntei-te se havia mais participação democrática no pós 25 de Abril, tu vieste com o número de partidos como se isso implicasse maior participação de eleitores na democracia do dia-a-dia. Eu estou-te a falar do número de pessoas que se envolvem na política e para se envolverem na política não precisam de ir para um partido, só têm de participar nas assembleias, questionar os políticos (para isso os políticos têm de estar com eles e não é a dizer 'Bom dia Sr Presidente! Abraços e beijinhos para a família e ao Tareco! <3'), fazer participações ao MP se assim for necessário. Achas mesmo que o Mercado (incluindo derrapagens) ficou bem feito? Achas que os feirantes que antes faziam a feira no estacionamento do PEB, estão satisfeitos? Achas que eles não comunicaram isso ao presidente? É óbvio que é complicado as pessoas participarem mais. Têm lá tempo para se envolver no dia-a-dia da sua freguesia quando têm que trabalhar 8 ou mais horas por dia, fazer a deslocação casa-trabalho e vice-versa, cuidar dos filhos, fazer compras (coisas que não precisam normalmente), desfrutar minimamente da vida... As pessoas estão tão alienadas na sua rotina capitalista que não têm tempo para de facto questionar o seu presidente da junta porque é que tá a gastar dinheiro em coisas que só vão beneficiar o Zé e o Quim... Esperar mais das pessoas com toda esta rotina é injusto, admito, mas se ninguém o fizer as coisas ficam ainda piores. Para concluir, dizer que o capitalismo é o melhor sistema (porque é nisto que vivemos, não é numa democracia, caso contrário a democracia não era feita ao sabor do interesse capitalista) é de uma alienação completa. Mas ainda bem que estás num patamar social em que te permite achar isso, não te desejo nada de mal.

Participação democrática no pós 25 abril? PREC's e ocupações? É isso participação democrática?
Hoje em dia qualquer pessoa tem muito mais informação e muitos mais instrumentos para participar, questionar e denunciar.
Precisam de muito menos tempo para o fazer, e mais tempo para o fazer. Apenas uma pequena franja nessa altura trabalharia menos horas do que atualmente.
Falo te em partidos e em movimentos de cidadãos. Não se resumem ao Santana (que por acaso teve os 2 maiores partidos a tudo fazer para que não concorresse) ou ao Rui Moreira. Nunca foi tão fácil a alguém dizer eu faço melhor. Nunca foi tão fácil alguém apresentar as suas ideias por muito alienadas que sejam. E têm ganho sim
Algo que tem apenas 45 anos mas que há 20 anos se houve falar de estar em falência, de estar podre.
Flagelo de abstenção como se em 1985 não estivéssemos já perto dos 40%, valor próximo ao verificado em Braga este ano.
Tu dizes que vives em capitalismo-palavras tuas, não minhas. Muitos dizem que vivemos em socialismo contra o qual temos que correr.
É a tua opinião. É a opinião deles. Eu tenho a minha e vivo bem com isso, embora há dias tenha sido acusado de ser comunista, hoje sou capitalista. Pra semana devo ser liberal e na seguinte anarquista.

Se fosses anarquista não acreditavas em democracia representativa xb
Anuncios G
PAF Equipa Principal
  • *****
  • 4929
  Re: Bracara Augusta - Vivendo a cidade mais antiga de Portugal
« Responder #351 em: 28 de Setembro de 2021, 00:08 »
Acabou por ser um resultado normal. A única coisa estranha foi a sondagem da semana passada que dava 55% ou algo do género à coligação, no fim provavelmente acabou a prejudicar a coligação. Em todo o caso continuam com maioria no executivo e não devem ter qualquer problema na Assembleia municipal.
Este vai ser um mandato fundamental para a cidade, não tanto pela Câmara e pelo seu programa, mas mais pelo que a cidade pode ganhar em projetos fundamentais para o futuro, desde logo Braga 2027 (não vai ser fácil ganhar), nó de Infias (que nem é responsabilidade da Câmara), a circular que liga Rume/Real ao E leclerc (que também não é responsabilidade da Câmara). Sendo que esta última ajudaria a resolver parte do problema de infias, reformular a Central camionagem e na cidade fica a faltar o 1º de maio em termos de edifícios grandes. (se não me falha nenhum)
Mas mais que estes projetos mais mediáticos, importa em minha opinião as pessoas e a captação de investimento, isso é que garante o futuro da cidade e do país.
 

Anuncios M
Anuncios M