You are using an outdated browser. For a faster, safer browsing experience, upgrade for free today.
Anuncios
NOTCIAS DO ENORME DO DIA 22/01
20 Respostas
2405 Visualizações
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Bruno3429 Equipa Principal
  • *****
  • 12976
  Re: NOTCIAS DO ENORME DO DIA 22/01
« Responder #20 em: 23 de Janeiro de 2009, 00:05 »
Vítor Pereira garante que, "obviamente", não se demite

O presidente da Comissão de Arbitragem da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Vítor Pereira, afirmou hoje à Agência Lusa que, "obviamente", não se demite, como pretendem o Sporting e o Sporting de Braga.

Vítor Pereira admitiu que "não estava à espera" das reacções que provocaram as suas declarações, mas reafirmou o que disse terça-feira, à margem da cerimónia de entrega das insígnias aos 29 árbitros internacionais portugueses: "Se as pessoas não acreditam no futebol, não vão ao futebol".

"Obviamente que não", respondeu Vítor, quando foi questionado sobre se estava preparado para apresentar a demissão, como exigiu quarta-feira o director de comunicação do Sporting, Miguel Salema Garção, e, já hoje, Carlos Freitas, "manager" do Braga.

Vítor Pereira reconheceu que "não estava à espera" da reacção dos responsáveis dos clubes lisboeta e minhoto, porque "a intenção era chamar a atenção para as pessoas do futebol para cuidarem bem do desporto".

"Digo e reafirmo: Se não acreditam no futebol, não vão ao futebol. Não digo para as pessoas não irem ao futebol ou que deixem de ir. Mas se não acreditamos num bom espectáculo de teatro também não vamos", justificou.

Para o presidente da Comissão de Arbitragem da Liga de clubes "são as próprias pessoas do futebol que o colocam em descrédito" e é por isso que "as pessoas acabam por não ir".

Vítor Pereira sugeriu terça-feira que a suspeição em torno do sector pode acabar com competição desportiva profissional, observando: "Se as pessoas não acreditam no futebol, não vão ao futebol".

"Quando não houver futebol profissional, haverá muita gente desempregada. Quanto mais se mantiver este estado de espírito, mais condições há para os árbitros não apitarem na plenitude das suas faculdades", assinalou o dirigente.

O Jogo