You are using an outdated browser. For a faster, safer browsing experience, upgrade for free today.

EM CAMPO PARA VENCER

O SC Braga regressou à competição, após a pausa das seleções, para se estrear na fase de grupos da taça da liga. O Tondela, que chegou pela primeira vez a esta fase depois de ter ido a Guimarães vencer a equipa da casa por 2-0 na eliminatória de acesso, surgia como o primeiro adversário arsenalista no caminho que pode levar à final four. Recordo que a fase final é disputada precisamente na Pedreira, pelo que é muito desejada a presença dos Gverreiros do Minho. Em Braga acredita-se que é possível ter ambições, legítimas, na competição.

O jogo frente ao Tondela rendeu três pontos e a liderança isolada no grupo aos comandados de Abel Ferreira, fruto da vitória difícil, mas justa, por 2-1. O árbitro João Capela apitou a partida naquele seu jeito irritante e teve uma atuação infeliz, que começou logo numa fase prematura da partida, com o golo tondelense a resultar de uma falta clara sobre Dyego Sousa que passou impune. A desvantagem aumentou os níveis de ansiedade, quer da equipa quer dos adeptos. Os beirões podiam ter feito o 0-2 na sequência de um canto em que a bola foi beijar o poste. Este lance surgiu na sequência de novo erro do juiz da partida, que assinalou mal que a bola saiu pela linha de fundo, num lance em que Marafona, num regresso que faz bem ao futebol, defendeu a bola dentro do retângulo de jogo, mas que o auxiliar imaginou ter visto fora, mesmo que o corpo do guardião o impedisse de qualquer visão. Estes dois erros não foram decisivos porque o resultado negativo que se registava ao intervalo foi invertido pela equipa na segunda parte, que (re)entrou em campo para vencer, o que viria a conseguir, de forma justa, graças aos golos de Dyego Sousa e Fábio Martins. Aliás, se os índices de eficácia fossem maiores os números de vitória poderiam ter sido mais esclarecedores.

A pausa do jogo frente ao Tondela serviu para homenagear as Gverreiras do Minho que tinham conquistado a supertaça, no estádio do Fontelo (Viseu), frente ao Sporting. Também a determinação “delas” foi inspiradora para um jogo de maior busca do golo e da vitória para “eles”. Partilhando aqui um sentimento de um colega e amigo, Carlos Mangas, o próximo jogo da liga serviria de melhor palco à homenagem, pois terá certamente mais gente presente e o contexto seria certamente bem escolhido. Mas o tempo recomenda que as homenagens se façam rapidamente, pelo a equipa feminina, comanda por Miguel Santos, viu o seu feito reconhecido pela edilidade bracarense e pelos adeptos presentes no estádio.

A equipa de sub 23, depois de uma derrota na estreia, tem vindo a recuperar terreno e já surge na parte cimeira da classificação, depois da vitória conseguida, na “sua casa de Fão”, frente ao Portimonense por 1-0. O golo de Midana chegou para obter os três pontos, ainda que o resultado pudesse ser mais confortável, em função da produção ofensiva e da pouca eficácia concretizadora observadas.

Os juniores A (sub 19) venceram por 3-0 no terreno do grande rival de Guimarães e seguem no comando, a par do Porto, que também soma dez pontos. Foi uma vitória construída durante o primeiro tempo e que a equipa soube gerir no segundo, o que valeu os efusivos festejos como documentam algumas imagens. Já a equipa de juniores B (sub 17) bateu o Palmeiras por 3-0, em jogo disputado na cidade desportiva, num triunfo que reforçou a liderança isolada na prova. Ainda na formação, os juniores C (sub 15) bateram o Limianos por claros 9-0 e continuam a liderar o seu grupo.

A equipa feminina recebeu a equipa A-dos-Francos e venceu por 4-0. Obviamente que a equipa ainda dispõe de uma margem grande de crescimento, uma vez que sofreu muitas alterações no plantel, mas as atuais jogadoras dispõem de uma qualidade que faz prever uma grande época para as bandas de Braga. Veremos se o futuro o confirma.

Foi um fim de semana muito positivo em que o símbolo do SC Braga entrou em campo para vencer, em várias ocasiões. Desejo que estes bons ventos se prolonguem no tempo. Faço votos, ainda, para que o número de adeptos cresça rapidamente, também nestes jogos de “menor cartaz”, uma vez que para vencer títulos todos os jogos contam. Os meus parabéns aos Gverreiros presentes nas bancadas, que voltaram a ajudar a equipa a vencer um jogo que teve momentos difíceis.

Partilhar